A História da MPB

Ernesto Nazareth - Pequena Biografia


     Ernesto Júlio de Nazareth nasceu na cidade do Rio de Janeiro, no dia 23 de março de 1863, filho de Vasco Lourenço da Silva Nazareth e de Carolina Augusta Pereira da Cunha. Iniciou seus estudos de piano ainda muito cedo, por intermédio de sua mãe e, depois de esta falecer, deu-lhes continuidade com Eduardo Madeira, funcionário do Banco do Brasil. Em 1877, compôs sua primeira música, uma polca-lundu intitulada "Você bem sabe", dedicada ao pai. Tomou aulas também com Lucien Lambert, tornando-se logo depois profissional de música. Em 14 de julho de 1886, casou-se com Teodora Amália de Meireles. Em 1893, Nazareth lançou "Brejeiro" (Tango), editado por Fontes & Cia., tornando-se o iniciador do que seria chamado de tango brasileiro. Em 1898, realizaria seu primeiro concerto, no salão nobre da Intendência de Guerra. Em 1907, ingressou, sem concurso, no Thesouro Nacional, como terceiro escriturário. Em 1917, atuava no salão de espera do Cine Odeon (para o qual fez o famoso tango homônimo), quando sofreu um grande abalo que lhe marcaria para sempre: morreria sua filha. Em 1919, começa a trabalhar na Casa Carlos Gomes (depois Carlos Wehrs), de Eduardo Souto e Roberto Donati, executando partituras ao piano. Em 1922, Luciano Gallet promoveu uma audição de suas obras no Instituto Nacional de Música e, em 1926, Mário de Andrade proferiu uma palestra sobre seu trabalho na Sociedade de Cultura Artística de São Paulo. De volta de uma excursão a Campinas, onde se apresentou no Conservatório Dramático e Musical, em 1927, já apresentava sinais de surdez. Em 1919 morreria sua esposa. Gravou, em 1930, na Odeon, as músicas "Escovando" e "Apanhei-te Cavaquinho" em disco n 10718, com a designação de choro. Em 1932, realizou um recital no Studio Nicolas, no Rio de Janeiro e fez uma excursão ao Rio Grande do Sul. Em 1933, iniciam-se as manifestações de perturbação mental, sendo internado no Instituto Neurosífilis da Praia Vermelha e depois na Colônia de Psicopatas Juliano Moreira, em Jacarepaguá. No dia 1 de fevereiro de 1934, fugiu do manicômio, sendo encontrado três dias depois perto de uma represa, morto talvez por afogamento. Ernestho Nazareth foi um dos nossos maiores músicos, estando incluído nas categorias de erudito e popular. Conseguiu ser um virtuose no instrumento que escolhera para compor suas obras, o piano, conhecendo todos os seus segredos. Criador do tango brasileiro, Narazeth passou para a história da música popular brasileira, ocupando uma de suas páginas mais belas, onde se destaca o tango-choro "Odeon". Entre suas inúmeras composições destacam-se: "Apanhei-te Cavaquinho", "Famoso", "Brejeiro", "Ameno Rosedá", etc.