Discos Fundamentais

PAULO TAPAJÓS
CATULO O POETA DO SERTÃO 1957



    
A imagem do Nordeste brasileiro esteve durante muito tempo estereotipada no Sul do país, para os de baixo o povo do norte como eles também chamavam era uma gente profundamente religiosa, mística, ainda o é, mas também exótica em seus costumes, fazia parte de um Brasil impenetrável e desconhecido, principalmente no final do século XIX e início do século XX. As atenções para seus graves problemas sociais vieram à tona de certa maneira com a publicação do livro Os sertões, de Euclides da Cunha que retrata com fidelidade o embate de Canudos e faz uma interpretação sobre o ser sertanejo.

     Fora algumas poucas intervenções governamentais seja no Império ou no nascedouro republicano, o Nordeste era uma terra de ninguém, pois o país vivia e respirava os ares da “cidade luz tropical” o Rio de Janeiro e a cultura pátria era medida pelo que nela se realizava, claro, que outros estados como por exemplo, São Paulo, tinham uma certa influencia cultural “civilizatória', mas indiscutivelmente era a então capital do país que puxava o samba enredo da recém criada Escola de Samba Unidos da Republica Federativa do Brasil.

     Mas se o sertanejo nordestino sempre foi um forte em sua luta pela sobrevivência, foi também um obstinado divulgador de sua própria cultura não deixando ainda que a região figurasse apenas como um apêndice na geografia política do país e sim elemento integrador de uma noção plena de brasilidade, com suas características regionais próprias, mas sobretudo definindo a noção de nossa pluralidade cultural e reafirmando o conceito pleno de nação em sua totalidade. Assim a contribuição do Nordeste iria se somar a de outras regiões e o Brasil poderia descobrir-se sem discussão de mérito, pois, a disputa em questão passaria ao largo de preconceitos ou discriminações e serviria como afirmativa de nossa identidade.

     Desse modo a partir do pressuposto da nacionalização de nossa cultura os temas nordestinos tomam de assento o Rio de Janeiro aproveitando-se da sua importância enquanto caixa de ressonância nacional e passam a ser explorados por artistas e intelectuais vinculados as suas tradições regionais para divulgar o que poucos conheciam, ou fingiam apenas que existia.

     Entre esses personagens responsáveis por essa nacionalização/integração nordestina destaca-se Catulo da Paixão Cearense, cuja referencia ao valoroso estado nordestino encontra-se apenas no sobrenome, pois, nasceu, na cidade de São Luis do Maranhão em 31 de janeiro de 1863 e em 1880 foi residir no Rio de Janeiro com a familia. Na capital do império freqüentou rodas de estudantes, foi boêmio, estivador, escriturário, mas sobretudo poeta e violonista, atividades que o consagrariam como uma das mais importantes figuras de seu tempo. Acompanhou de perto o crescimento da modinha enquanto gênero de musica urbana largamente executada em serenatas sendo o seu grande impulsionador nos finais do século XIX e nas primeiras décadas do seguinte.

     Como poeta torna-se uma celebridade e o Nordeste, o seu chão, a razão maior de sua poética. Seus livros vendiam-se aos milhares e com eles descortinava um imenso horizonte para uma compreensão maior desse lado do Brasil. Obras como O marrueiro, Sertão em flor, Alma do sertão, Um caboclo brasileiro, Mata iluminada, O milagre de São João, O sol e a lua e muitas outras revelaram liricamente um Brasil que os brasileiros precisavam conhecer. Mas se seus versos eram largamente recitados e conhecidos por todos, suas modinhas, ou as letras que fez para canções alheias, tinham o mesmo sentimento lírico das noites enluaradas inebriadas pelo mágico encantamento das serenatas noturnas da cidade que o abraçou, numa perfeita comunhão entre o sertanejo puro e o urbano boêmio e sentimental, dois personagens num só, a união perfeita de um Brasil que se mostra por inteiro, sem divisionismos e onde a predominância de uma identificação matriz se une a uma cultura urbana e é essa mistura na medida certa que da o caráter definidor de nosso caráter.

     Como modinheiro Catulo produziu uma obra vastíssima e ajudou a fazer mais felizes as noites de luar de nosso país. Parte dessa sua contribuição a musica popular brasileira esta registrada em três LPs produzidos pela gravadora Sinter entre os anos de 1955 e 1959 com interpretações do radialista, cantor e compositor Paulo Tapajós. Em 1957 após o sucesso do primeiro LP em 10 polegadas denominado Luar do sertão, é gravado o disco Catulo, o poeta do sertão, com um repertório de canções representativas do momento áureo da modinha brasileira. Dentre elas destacam-se, Vai ó meu amor ao campo santo e Os olhos dela , com Irineu de Almeida; Clélia, com Luiz de Souza; O poeta do sertão ; Talento e formosura , com Edmundo Otávio Ferreira; Rasga o coração e Palma de martírio , com Anacleto de Medeiros.

     Todas essas musicas foram gravadas em disco nos primeiros anos do século vinte e embalaram os corações do povo brasileiro, nelas o poeta/compositor se deixa entregar por inteiro traduzindo em versos e melodia um momento mágico de nossa cultura musical.

Luiz Américo Lisboa Junior
Itabuna, 13 de outubro de 2005.


MÚSICAS:
01)Vai ó meu amor ao campo santo (Catulo da Paixão Cearense/Irineu de Almeida)
02)Sertaneja (Catulo da Paixão Cearense/Ernesto Nazaré)
03)Clélia (Catulo da Paixão Cearense/Luiz de Souza)
04)O poeta do sertão (Catulo da Paixão Cearense)
05)O meu ideal (Catulo da Paixão Cearense/Irineu de Almeida)
06)Tu passaste por este jardim (Catulo da Paixão Cearense/Alfredo Dutra)
07)Talento e formosura (Catulo da Paixão Cearense/Edmundo Otávio Ferreira)
08)Os olhos dela (Catulo da Paixão Cearense/Irineu de Almeida)
09)Rasga o coração (Catulo da Paixão Cearense/Anacleto de Medeiros)
10)Recorda-te de mim (Catulo da Paixão Cearense)
11)Templo ideal (Catulo da Paixão Cearense/Albertino Pimentel)
12)Palma de martírio (Catulo da Paixão Cearense/Anacleto de Medeiros)


Ficha Técnica
Direção musical: Alexandre Gnattali

Comente esta matéria