Discos Fundamentais
Novos Baianos
Acabou Chorare - 1972


     Um ano muito importante para a história do século XX foi 1968, quando foi deflagrada em Paris uma revolta de estudantes com eco em todo o mundo, propondo mudanças e clamando um olhar para seus anseios. Nessa ocasião o Brasil vivia um período difícil com uma ditadura instalada e uma insatisfação generalizada, inclusive por parte dos universitários que pediam liberdade de agir e pensar. Não conseguiram e o governo baixou o Ato Institucional 5 cerceando toda e qualquer liberdade de expressão. Na música estávamos vivenciando momentos inesquecíveis com Os Beatles, Jimmy Hendrix, Janis Joplin e muitos outros que fizeram a cabeça da geração. As mudanças realizadas no final dos anos sessenta foram fundamentais para sacramentar um pensamento e um modo de viver de jovens que tinham no lema do movimento hippie, Paz e Amor, seu apelo maior. Liberdade era tudo, e ela estava demonstrada no sexo livre, nas roupas coloridas, cabelos longos, vida em comunidade e principalmente em transformar essa vivencia em música e poesia. Na Bahia um paraíso cultuado pelos hippies dessa época foi a praia de Arembepe em Salvador, para lá se dirigiam a fim de acampar todos os que buscavam uma vida mais saudável em permanente contato com a natureza extraindo dela tudo de idílico que ela podia oferecer.

     Foi nesse clima que alguns garotos, outros nem tanto assim, adentraram a década de setenta propondo um novo modelo de vida e representação artística, batizaram-se com o nome de Novos Baianos e saíram na vanguarda desse processo fazendo belas canções com suas guitarras, misturadas a instrumentos de percussão e um swing inigualável. Após o primeiro disco gravado em 1970, o grupo formado por Paulinho Boca de Cantor, Moraes Moreira, Pepeu Gomes, Luiz Galvão, Baby Consuelo como principais integrantes, além de Jorginho, Dadi e Baixinho, entraram em estúdio na recém criada gravadora Som Livre e lançaram em 1972 o álbum Acabou Chorare, tornando-o num sucesso sem precedentes. Músicas como Preta pretinha e a versão do samba de Assis Valente, Brasil pandeiro, tornaram-se referencias obrigatórias para identificar o grupo, sendo até hoje executadas nas emissoras de rádio serias deste país, como símbolo de um tempo mágico, apesar dos pesares. Mas o disco que foi considerado como um dos dez mais importantes da música brasileira, continha ainda, outras belas e inesquecíveis canções, como Tinindo trincando, Swing do Campo Grande, Mistério do planeta, Acabou chorare, A menina dança, Besta é tu e Um bilhete pra Didi.

     Com supervisão geral de João Araújo, coordenação musical de Eustáquio Sena, o LP vinha numa embalagem de luxo, com capa dupla e um texto explicativo de Galvão contando um pouco a história das músicas e dos integrantes do grupo. Após o lançamento desse disco, os Novos Baianos tornaram-se num dos mais populares conjuntos musicais do país, gravando outros LPs e confirmando a cada novo trabalho a qualidade técnica e o talento de seus membros. Inovaram no carnaval de Salvador saindo num Trio Elétrico, sendo os primeiros artistas a cantarem em cima de um trio, pois antes as músicas eram apenas executadas de forma instrumental. Seus integrantes a exemplo de Moraes Moreira e Pepeu Gomes demonstraram sua força criativa em uma carreira solo recheada de grandes sucessos, Baby Consuelo também firmou-se como excelente intérprete em belos trabalhos e Paulinho Boca de Cantor, único a continuar residindo na Bahia, produziu inúmeros discos e revelou-se também como compositor e intérprete, principalmente de sambas, ele que foi o responsável pela introdução do ritmo no repertório dos Novos Baianos. São trabalhos como esse que engrandecem nosso cancioneiro e merecem continuar recebendo todos os aplausos que lhe são sempre merecidos, pois nunca envelhecem.

Luiz Américo Lisboa Junior


Músicas:

01- Brasil pandeiro
     (Assis Valente)
02- Preta pretinha
     (Moraes/Galvão)
03- Tinindo trincando
     (Moraes/Galvão)
04- Swing do Campo Grande
     (Paulinho/Moraes/Galvão)
05- Acabou chorare
     (Moraes/Galvão)
06- Mistério do planeta
     (Moraes/Galvão)
07- A menina dança
     (Moraes/Galvão)
08- Besta é tu
     (Pepeu/Moraes/Galvão)
09- Um bilhete pra Didi
     (Moraes/Galvão)
10- Preta pretinha
     (Moraes/Galvão)


Ficha Técnica

Acabou Chorare – Novos Baianos

Coordenação geral: João Araújo
Produção musical – Eustáquio Sena
Estúdio: Somil
Produção gráfica e fotos: Antonio Luis (Lula)
Montagem do álbum – Joel Cocchiararo

Músicos:
Conjunto A Cor do Som:
Pepeu – Guitarra
Jorginho – Bateria e bongô
Baixinho – Bateria e bongô
Dadi – Baixo

Regional:
Moraes Moreira – Violão base
Pepeu – Violão solo e craviola
Jorginho – Cavaquinho
Baixinho – Bumbo
Dadi – Baixo
Paulinho Boca de Cantor - Pandeiro
Baby Consuelo – Afoxé, triangulo e maracas
Bolacha – Bongô

Arranjos:
Moraes Moreira e Pepeu Gomes

Comente esta matéria