Discos Fundamentais
Moraes Moreira
Lá vem o Brasil descendo a ladeira
1979


     Uma das características do povo brasileiro é sua vocação para ser alegre ou como dizem os mais radicais a sua imensa capacidade de rir de sua própria desgraça, nos últimos tempos temos vivenciado essa certeza, pois diante de tanta lama incrustada no governo e em varias instituições, o que mais caracterizou e confirmou essa fama foi a dança da pizza levada a cena no teatro dos horrores e da desfaçatez em que se transformou o Congresso Nacional.

     Mas se o país mergulha em trevas a sua população em sua esmagadora maioria não aprova os desmandos daqueles que detêm o poder, indigna-se a cada instante, sofre um abalo em sua auto estima, chega a pensar que chegamos no limite das nossas reservas morais e que a nossa democracia nada mais é do que o mostruário da podridão reinante e da impunidade que nos cerca a cada dia. Contudo, não vamos aqui ser catastróficos, afinal de contas ainda é melhor vivermos em liberdade, pois, assim podemos com nosso voto e com a plena convicção de nossa consciência deletar de uma vez das nossas vidas personagens tão espúrios, além de exercer nosso papel de cidadão fiscalizando outras instancias de poder para que elas cumpram sua obrigação constitucional e não se deixem contaminar pela bandalheira reinante.

     Vamos agora deixar um pouco o lado sombrio de nossas vidas e falar de alegria que em nosso país se traduz em duas palavras, carnaval e futebol, pois sem essas duas coisas não sobreviveríamos, afinal elas nos dão o lenitivo necessário para seguirmos adiante. O carnaval, nossa maior festa, já teve momentos de maior brilho, hoje em dia reduziu-se praticamente a quatro estados, Rio de Janeiro, São Paulo, Pernambuco e Bahia. Nos dois primeiros a única coisa que restou das antigas tradições são as escolas de samba, que atualmente não desfilam mais com belos sambas enredo e sim com marchas enredo devido ao andamento acelerado que lhe foi imposto em função do limite de tempo de seu desfile, mesmo assim, ainda é repleto de brilho e encantamento. No Recife o frevo continua reinando ao lado dos maracatus e outras manifestações folclóricas amparadas por uma forte participação popular. Já na Bahia o carnaval elitizou-se de tão maneira que a rua deixou de ser do povo, pois este ficou espremido entre as calçadas vendo os trios elétricos e os blocos passarem com seus foliões turistas enquanto os poderosos aplaudem o desfile em seus caríssimos camarotes, portanto o carnaval do povo na Bahia decididamente ficou no passado.

     Outro aspecto importante para ser salientado é a musica carnavalesca, antigamente, sambas e marchas rivalizavam-se na preferência popular, nos dias que correm ambos os gêneros desapareceram dando lugar com preponderância ao axé music, ou seja, ao lixo, do lixo, do lixo. Porem, em um passado recente ainda vivíamos a alegria dos carnavais baianos com liberdade, sem camarotes e congestionamentos de trios elétricos, com o povo cantando e dançando espontaneamente embalado por lindas canções que retratavam infelizmente o epílogo de nossas canções carnavalescas.

     Partiremos agora para um outro aspecto do que nos leva a escrever estas linhas, o motivo de considerarmos o LP de Moraes Moreira, Lá vem o Brasil descendo a ladeira, lançado em 1979 como um disco fundamental da musica popular brasileira. Em primeiro lugar trata-se de um trabalho eminentemente carnavalesco fruto do epílogo da musica carnavalesca a que me referi, não apenas da Bahia, apesar de sua evidente e natural baianidade, mas do Brasil de um modo geral. Músicas como Chão da praça; Eu sou o carnaval; Feito Muhammad Ali; Assim pintou Moçambique; Pelas capitais, além da faixa titulo, ouvidas hoje em dia nos causam uma certa melancolia quando pensamos que fizeram parte de um tempo recente e que não volta mais, de um período em que a violência, o comercio desenfreado, a mídia fabricando e bancando artistas praticamente inexistiam e o som dessas canções não se limitavam apenas as território baiano, faziam pular o país inteiro, pois eram executadas a exaustão em todos os rincões de nosso território. Claro que os defensores do axé vão dizer que o Brasil também pula ao som de suas “musicas’, porém, há um aspecto que não se pode negar, que é a grande mídia que se fez em torno dessa musica, retire-a e ela não vingará, além do mais, não quero nem tecer comentários a respeito de méritos qualitativos, afinal, um acorde de Moraes Moreira vale por centenas de axés”.

     Em 1979 nosso herói estava no auge de sua capacidade criativa, era absoluto no carnaval baiano, o país inteiro se admirava de seu talento e seus discos eram tocados durante os doze meses não se restringindo a um período apenas.
O Brasil via ali um exemplo típico da sobrevivência da musica carnavalesca através de um compositor que reinventava o carnaval com dignidade, não o deixando cair na banalidade. Se os clássicos de Lamartine Babo, João de Barro e outros compositores ainda sobrevivem nos bailes de salões carnavalescos que ainda restam, e que estão em processo de extinção, a musica de Moraes Moreira há também de continuar ecoando como clássicos modernos de nossa festa maior, infelizmente os últimos.

     Um disco que ao se ouvir traz-nos a triste certeza de que fomos tragados em muito pouco tempo pelo artificialismo e mediocridade, o que só faz reforçar a sua importância, pois onde quer que estejamos ao ouvir uma de suas canções teremos a certeza que ali o Brasil pulsa mais forte, íntegro, inteiro, traduzindo com sinceridade a nossa real capacidade de rirmos de nos mesmos, só que com orgulho e não de desespero e melancolia.

Luiz Américo Lisboa Junior
Itabuna, 4 de abril de 2006.

Músicas:


01) Lá vem o Brasil descendo a ladeira (Moraes Moreira/Pepeu Gomes)
02) Pelas capitais (Moraes Moreira/Jorge Mautner)
03) Eu sou o carnaval (Moraes Moreira/Antonio Risério)
04) O prometeu (Moraes Moreira/Cícero Lima)
05) Coração nativo (Moraes Moreira/Armandinho/Fausto Nilo)
06) Som moleque (Moraes Moreira/Fausto Nilo)
07) Valentão (Oswaldinho/Moraes Moreira)
08) Chão da praça (Moraes Moreira/Fausto Nilo)
09) Feito Muhammad Ali (Moraes Moreira/Abel Silva)
10) Choro pequenino (Moraes Moreira)
11) Assim pintou Moçambique (Moraes Moreira/Antonio Rosério)




Ficha Técnica

Direção de produção: Guto Graça Mello
Produção executiva: Sergio Mello
Direção de estudio: Sergio Mello/Edu
Assistente de produção: Felipe Aguiar
Arregimentação: João Luzze
Arranjos e regências: Pepeu Gomes/Moraes Moreira/Armandinho
Arranjos vocais: Moraes Moreira/Zeca
Técnico de gravação: Edu
Assistentes de estúdio: Mario Jorge/Jorge Garrafa/Julinho/Eduardo
Direção de mixagem: Edu
Corte: Américo
Montagem: Ieddo Gouvêa
Controle de qualidade: Nolan Leve
Fotos: Aderi Costa
Foto da contra capa: Fernando Gueiros
Layout/Direção de Arte e Arte Final: Bazaar
Coordenação da capa: Vera Roesler
Gravação: Estúdio Sigla – julho/agosto de 1979

Comente esta matéria